Sanidade da pandemia

Terça foi o último dia em estive na rua. Almocei com uma amiga e voltei para a casa de minha mãe, onde estou hospedada. Amanhã vou no mercado e na farmácia. Além de mim, dois idosos moram no pequeno apartamento de Amaralina. Preciso ter cuidado. Preciso me cuidar.

Achei que seria tranquilo entrar em quarentena. Sou caseira e sempre lidei bem com a solidão (filha única). Além disso, em 2019, afundei na depressão e passei muito tempo dentro de um quarto pequeno, sem vontade de sair da cama.

Desde o fim daquele terrível ano e o início desse novo, uma mudança de medicamentos – que ainda não é definitiva – me trouxe energia. Energia, ânimo e vontade de sair de casa, de ver pessoas, de conversar, de abraçar, de beijar. Achei que seria tranquilo entrar em quarentena. Não tem sido.

Quando comecei a sentir que voltava a ter uma vida, a dar os primeiros passos para construir uma nova história, tudo ficou suspenso no ar, submerso em álcool gel, silenciado por máscaras hospitalares e soterrado no excesso de informação (metáforas cretinas, eu sei). Informação sobre o covid e sobre as milhões de opções para ser produtiva em época de afastamento social.

Pois é: até em tempos de pandemia existe a pressão para ser alguém que lê 20 livros interessantes por dia enquanto assiste 50 seriados e 100 filmes além de fazer yoga, pilates, zumba, exercícios aeróbicos e tocar violão. Também é importante aprender uma língua nova. E estudar todos os textos do semestre para quando as aulas retornarem. Afinal, “temos todo o tempo do mundo”.

Me vejo aqui, sem concentração e apavorada com a possibilidade de regressão; todo dia travo minha batalha particular contra a tristeza profunda. E me sinto culpada pela paralisia. Também me sinto culpada por pensar em minhas tristezas já que lutamos contra uma pandemia, contra a morte, contra a política.

Sigo com medo do que será de nós. Não sou eleitora de Bolsonaro e me vejo pagando o pato. Com mãos limpas. E sem contato.

Se você também sofre com a depressão ou ansiedade ou bipolaridade e quiser conversar, não esqueça: eu tô aqui. Sei que nem sempre é fácil desabafar com quem nunca passou por isso. Temos texto, temos áudio, temos vídeo. Temos tempo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s