Umidade

Eu poderia continuar falando sobre o quão difícil está minha vida nesse momento, ou dissertar sobre as crises mundiais, sobre Lula que ainda está preso, Bolsonaro que ainda é presidente, a Vale que ainda não foi fechada, os policiais que continuam matando gente inocente, os homens que seguem espancando e acabando com a vida das mulheres e o mar de lama em que o país cada vez mais se afunda.

Mas hoje não farei isso. Hoje vou é desabafar sobre uma imensa dificuldade que tenho tido em pouco mais de uma semana que desembarquei na Cidade de São Salvador: a porra da umidade no meu cabelo.

Não consigo lembrar como sobrevivi 26 anos lidando com esse efeito catastrófico em um cabelo meio cacheado, meio ondulado e muito cheio como o meu. Foram 11 anos de paraíso entre São Paulo e a Califórnia, onde a pele sofria, o nariz sangrava, a rinite atacava, mas o cabelo ficava lindo.

Ok, assumo que tanto em Salvador quando em São Paulo, em alguns momentos, recorri a certas técnicas que usavam formol só pela praticidade mesmo. Mas nada com muita frequência, nada com muito apego.

Depois que completei 30 anos, meu cabelo mudou totalmente. Ou foi o formol que entrou de alguma maneira pela corrente sanguínea, ou foram os hormônios. Prefiro ficar com a segunda opção. O cabelo ficou menos cacheado e menos cheio; era até possível pentear seco sem parecer Maria Bethânia (musa suprema, sempre, já que só sendo ela pra segurar uma cabeleira daquelas com elegância).

Fato é que a umidade marítima desordena os fios. Cada um vai para um lado diferente. A textura fica esquisita. O cabelo fica meio elástico, meio grosso, meio grudado (deu pra entender?) e meio rebelde. O frizz toma conta da cabeça inteira, como se eu tivesse colocado a mão em um daqueles experimentos de museus científicos que deixa “o cabelo em pé”.

Tenho me sentido como a marisqueira Luzia na primeira fase de “Segundo Sol”, antes dela virar a Dj finlandesa Ariela sofisticada. Pense numa caracterização perfeita? Não devem ter feito absolutamente nada no cabelo da atriz; foi só deixar a Bahia agir.

Voltei pra Salvador e devo assumir toda a confusão do meu cérebro representada nos fios da cabeça. É o caos da minha vida perfeitamente representado na desordem capilar.

Saudade, clima seco, que fazia meu nariz sangrar.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s